SÃO GABRIEL REGISTRA A PRIMEIRA MORTE POR GRIPE A EM 2019



A vigilância epidemiológica de São Gabriel confirmou na terça-feira (14/05) a primeira morte causada por Gripe A em 2019. O resultado do exame laboratorial deu positivo para H1N1. Segundo o setor, o paciente não tinha feito a vacina e havia sido internado no Hospital de Santa Casa de Caridade, antes do início da campanha de vacinação contra gripe.

A vítima é um homem de 71 anos e estava internada na UTI – Unidade de Terapia Intensiva desde o dia 12 de abril. A Vigilância também monitora outro caso de suspeita de H1N1. A pessoa também está internada.


No ano passado, a administração do hospital restringiu a visita aos pacientes, autorizando apenas a troca de acompanhantes, enquanto permaneceram as suspeitas de gripe A no município. A medida preventiva foi justificada pela responsável pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar, enfermeira Gilvania Quadros da Silva, como precaução referente uma síndrome gripal registrada nos últimos dias. Este ano, ainda não foi anunciada nenhuma medida.


Em 2018, entre 16 de março e 03 de abril, foram registrados quatro casos suspeitos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Em apenas um deles foi confirmado a existência de vírus influenza A (H1N1).

O ano de 2016 foi o de maior incidência. São Gabriel ficou, junto com Porto Alegre (a mais afetada) e Montenegro, entre os municípios com os maiores números de mortos por gripe A. Do total de 100 óbitos no estado, Porto Alegre contabilizou 19, enquanto São Gabriel registrou cinco mortes naquele ano. 79% faziam parte do chamado grupo de risco (como idosos e portadores de doenças crônicas).


 SITUAÇÃO ATUAL

A primeira vítima ainda não havia tomado a vacina, mas, segundo a enfermeira Edite Antoniazzi, além da vacina, as pessoas tem que ter cuidados com higiene e ventilação das casas e, ainda, evitar contato próximo a pessoas com sinais ou sintomas de gripe.

O que precisa ser observado: dores na garganta ou pelo corpo, principalmente nas articulações, e sintomas gripais acompanhados de febre (acima de 38 graus).


O levantamento completo de 2018, feito pelo Ministério da Saúde, mostra que 2.088 casos de gripe foram registrados em todo país e 335 pessoas morreram em decorrência da doença. O tipo mais grave de gripe foi o H1N1, com 218 óbitos e 1.262 casos. Das pessoas que faleceram, 70% possuíam ao menos algum fator de risco, como idosos com mais de 60 anos cardiopatas, pneumopatas e com diabetes millitus.


REDUZA OS RISCOS

Evite procurar uma Unidade de Saúde quando estiver apenas com resfriado. Evite emergências superlotadas. Algumas medidas simples podem reduzir os riscos. 


Como a transmissão do vírus H1N1 ocorre de pessoa para pessoa, principalmente por meio da tosse, espirro, mãos contaminadas e secreções respiratórias de pessoas infectadas, a prevenção é importante. 

Entre as medidas que devem ser tomadas estão: Vacinação; Higiene das mãos com frequência; Utilizar lenços descartáveis para a higiene nasal; Ao espirrar ou tossir, não contamine suas mãos. 

Use um lenço descartável ou o braço; Não compartilhe objetos de uso pessoal como copos, talheres e pratos; Mantenha os ambientes bem ventilados; Evite os locais com aglomerações de pessoas; Usa roupas adequadas à temperatura ambiente; Tome bastante água e tenha uma alimentação saudável; Evite o estresse, a ansiedade e dormir pouco. Assim como ingerir bebidas alcoólicas ou usar drogas, pois enfraquecem o sistema imunológico. (Portal Alegrete Tudo)
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();