DESCASO DA SECRETARIA DE SAÚDE COM PACIENTE PORTADOR DE DEFICIÊNCIA

Foto do momento em que Rogério e seu pai aguardavam pelo retorno
O assisense Rogério Contessa, residente no interior do município de São Francisco de Assis, fez um relato sobre as condições e ao risco que foi submetido nesta quinta-feira, 08, por parte da Secretaria Municipal de Saúde. Rogério, que é deficiente físico precisa de acompanhamento profissional regularmente e neste dia estava agendada sua consulta médica na APAE em Santa Maria em função de uma cadeira motorizada para facilitar sua locomoção. 

Rogério reclama que a responsável pelo transporte na secretaria determinou a volta do carro que havia o levado e que o mesmo voltasse na van. Ele que estava com seu pai de acompanhante, tiveram que aguardar e como já haviam encerrado o expediente no local, ficaram na "rua", expondo-se aos riscos, até a chegada do outro transporte para assim se dirigirem ao município e chegar em casa somente às 22h30min.

A razão do paciente, quando se diz discriminado, está quando ele reforça que por ser deficiente físico tem prioridade nos atendimentos e que o carro onde estava, deveria ter os trazido e retornado, se fosse necessário para os demais pacientes. 

Veja o seu relato, abaixo na íntegra, conforme postado:

"Ontem dia 07/11/2018 tive uma consulta em santa maria por causa de uma cadeira motorizada e me fizeram um serviço bem porco a senhora elaine que é responsável pelo transporte de são francisco de assis para santa maria ela mandou que o carro que me levou pra santa maria que voltasse para são francisco trazendo uns pacientes de lá pra cá e me deixando eu e o meu pai lá nós ficamos esperando a van lá em santa maria no apae até as 6h45 da noite chegamos em casa as 10h30 da noite a consulta era num bairro muito perigoso a noite eu e o meu pai já estavamos com medo porque já era meio escurinho a senhora elaine tinha que deixar aqueles pacientes lá e fazer eu vim de carro por que sou deficiênte físico e de pendo dos outros pra me ajudarem ela podia fazer aqueles pacientes virem de van e não eu vim de van isso pra mim é uma descriminação me fazendo eu esperar a van toda tarde em santa maria no apae eu não vou depender de carro de prefeitura nenhuma por que eu não quero passar o que eu passei ontem ficar esperando toda tarde lá em santa maria apróxima vez vou pagar um motorista particular pra me levar em consulta eu e o meu pai estavamos aprestes de ir pra rodoviária pra pegar um ônibus que viesse de santa maria pra são chico. Essa foto comprova que a gente já estavamos na rua esperando a van."



IMPORTANTE:

A Lei 13.146/2015, sancionada em julho de 2015, classifica o que é deficiência, prevê atendimento prioritário em órgãos públicos e fixa pena de prisão de 1 a 3 anos para quem discriminar pessoas com esse perfil. O atendimento prioritário também vale para proteção e socorro em quaisquer circunstâncias. 
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();